Conheça o clube brasileiro mais vitorioso no Power Soccer, o futebol em cadeira de rodas

Aos 20 anos, Ramon de Freitas passava muito tempo no quarto, tristonho e sem perspectiva de realizar o sonho de ser um jogador de futebol devido às limitações impostas pela Distrofia Muscular de Duchenne (DMD). Buscando formas de animá-lo, a mãe, Liliana de Freitas, descobriu o projeto “Praia para Todos”, promovido pela ONG Novo Ser. 

A ideia era aproveitar os finais de semana ensolarados e, com ajuda de voluntários, curtir um bom banho de mar. Ramon não ia à praia há dez anos e adorou reviver aquela experiência. Levou, inclusive, uma verdadeira plateia para assistir seu mergulho, família, amigos da igreja e até sua médica.

Na praia conheceu os responsáveis pela Novo Ser, Nena e seu filho Ricardo Gonzales. 

Passados uns meses, num passeio rotineiro ao shopping, Lili viu Nena e Ricardo com um estande sobre acessibilidade. Aquele foi um dia único. Ricardo tinha acabado de descobrir o Power Soccer. Quando mostrou o vídeo de uma competição, Lili soube na hora que a vida do filho poderia ser reescrita. Não deu outra.

Em janeiro de 2011, com o time do Novo Ser formado por Ramon de Freitas, foi dado início ao primeiro jogo do esporte na América Latina. Desde então, o Power Soccer deslanchou no Brasil e influenciou até a criação de times nos países hermanos, como Argentina e Uruguai.  

Ramon de Freitas e a equipe do Novo Ser conquistaram a América em 2015

Como nasceu o esporte no Brasil

Tetraplégico, vascaíno e amante de futebol, Ricardo Gonzales, presidente da ONG Novo Ser, conheceu o Power Soccer em 2010 e começou a alimentar o sonho de criar um time. 

Realização que se tornou possível quando conheceu Ramon de Freitas, na época com 20 anos. Ramon se entusiasmou com a descoberta do esporte e logo se disponibilizou para entrar em campo. Assim se tornou o primeiro jogador da América Latina e, rapidamente, se mobilizou para formar um time. 

Para fomentar o novo esporte, Ricardo criou a ABFC (Associação Brasileira de Futebol em Cadeira de Rodas). Graças a essa iniciativa, o Brasil se tornou o primeiro membro Sul Americano da FipFa

Agora a Associação luta para que o esporte seja reconhecido pelo Comitê Paraolímpico.

Por ser o ídolo de Ramon, Zico se tornou padrinho do Power Soccer no Brasil.

A primeira técnica da América Latina

Capitão Ramon e a técnica Rosana de Freitas posam com a Taça da Libertadores, no título inédito de 2015

A professora de educação física, Rosana Castor de Freitas, nem gostava de futebol. Mas, era voluntária no projeto “Praia para Todos” e ficou entusiasmadíssima quando assistiu aos vídeos do Power Soccer. Um jogo maior que as deficiências. Capaz de transformar pessoas com limitações sérias em atletas. Revolucionário, portanto.

Para se tornar a primeira técnica da América Latina, Rosana pediu que traduzissem as regras da Fédération Internationale de Powerchair Football Association (FipFa). Foi criada uma apostila. Ela mesmo, entrou em contato com atletas norte-americanos. Também foi apresentada para as dez nações integrantes da 2° Copa, sediada na França.

Estava preparada para treinar seus atletas. Ramon, o capitão, sempre ao seu lado. 

O Power Soccer é um esporte igualitário. Um time pode ter jogadores acima de seis anos até aos cem. Não há limitação de idade, nem restrição de sexo. 

O time de Rosana venceu quatro campeonatos nacionais e a Libertadores.

Os treinos são todos os sábados das 9h ao meio-dia, e têm ritmo de Futsal. Há dez jogadores da equipe. Na quadra cada time tem três na linha e um no gol. 

Os jogadores enfrentam jornadas muitas vezes exaustivas, de mais de duas horas de deslocamento, transporte por trem e ônibus, mas não perdem os encontros.

O time, além dos técnicos, conta com a fisioterapeuta Fernanda Batista e psicólogo.

A beleza do esporte está na transformação definitiva da vida dos atletas. Rosana conta que ouviu muitos relatos de depressão, como o de Ramon, de vontade de cometer suicídio, de síndrome do pânico, e que esses quadros foram totalmente alterados. Os atletas passaram a se sentir motivados, felizes, com sentimento de realização.

“A vida muda completamente. De garotos que viviam pensando na morte, tornaram-se atletas profissionais. Disputam campeonatos, ouvem as arquibancadas estrondosas gritando seus nomes. É uma coisa linda de ver”, disse Rosana.

Títulos do Novo Ser

  • Campeonato Nacional, Rio de Janeiro, 2012
  • Campeonato Nacional, Rio de Janeiro, 2013
  • Campeonato Nacional, Rio de Janeiro, 2015
  • Campeonato Nacional, Rio de Janeiro, 2016 (sem Ramon na equipe)
  • Copa Libertadores de Powerchair Football, Uruguai, 2015.

Live de lançamento

Quer saber mais sobre os bastidores da produção do livro O Gol de Rodas? Assista à live de lançamento da obra, transmitida pela Casa Hunter no dia 7 de setembro, Dia Internacional de Duchenne.

Mediada pelo jornalista Bernardo Borges, o evento contou com a participação das autoras Fernanda Batista e Patrícia Vigário, da técnica do Clube Novo Ser de Power Soccer, Rosana de Freitas, além da participação especial de Liliana de Freitas, a mãe de Ramon, protagonista da história.

O livro O Gol de Rodas é uma produção da Editora Construtores de Memórias, patrocínio da Casa Hunter e Sarepta, com apoio da Febrararas, Associação Portuguesa de Neuromusculares (ANP) e Instituto Novo Ser. O projeto conta com parceria na divulgação da Maurício de Sousa Produções, através do personagem Edu.

Todo recurso com a comercialização do livro será revertida para apoio do Clube Novo Ser de Power Soccer.